Arquivos de Actualidade

PLENÁRIO DE TRABALHADORES NA CASCO PET PORTUGAL

e5d9a16d-e6a8-469d-bce2-d45319e95917   3ce26e34-b0cd-4ea7-b5cf-c2fc3ef410ab

Os trabalhadores participaram em massa no Plenário realizado em 6 de Junho na empresa, para analisar e decidir acerca das suas propostas reivindicativas no âmbito da revisão salarial do AE.

Ratificaram o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar a partir do dia 13 de Junho e elegeram novos Delegados e Delegadas Sindicais, para além de novas sindicalizações no Sindicato (STIV).

Participaram no Plenário 160 trabalhadores, ou seja, a quase totalidade dos trabalhadores da empresa.

Entretanto, a empresa já marcou a próxima reunião para 14 de Junho.

UNIDOS E ORGANIZADOS, SOMOS MAIS FORTES!

INFORMAÇÃO DE ÚLTIMA HORA SOBRE A GREVE NA CIMPOR (3 a 8 de Junho 2024)

2c2169b8-9e5d-422e-a1bc-1904db09b75d

Face à evolução no processo negocial do AE Cimpor, na reunião de 29 de Maio, designadamente em matéria de redução do horário semanal de trabalho para as 37,5 horas em 1 de Janeiro de 2026, assim como a abordagem de outras reivindicações, nomeadamente, sobre os apoios na saúde, foi decidido:
- Realizar Plenários de Trabalhadores a partir de 2ª feira, dia 3 de Junho, para análise da actual situação e deliberação das medidas a tomar.
- Para o efeito, fica suspensa a greve programada para a primeira semana de Junho (3 a 8 de Junho).
Simultaneamente, face a compromissos assumidos pela empresa, também ficam, para já, suspensos os pré-avisos de greve para as mesmas datas, nas outras duas empresas do Grupo Cimpor: CIARGA – Argamassas Secas e CIMPOR – SERVIÇOS.
A Direcção Nacional
31 de Maio de 2024

NOVA GREVE NA CIMPOR: 3 a 8 de Junho (5 dias e 5 noites)

Pela redução do horário, pelos complementos na saúde e outros direitos.

cimpor-greve-90

Nos recentes Plenários realizados, os trabalhadores da CIMPOR – INDÚSTRIA DE CIMENTOS decidiram avançar para uma nova greve de 3 a 8 de Junho em defesa da redução do horário de trabalho para as 37 horas semanais, da exigência  de garantia dos Benefícios Complementares na Saúde para todos (activos, reformados e familiares) e pela melhoria de outras condições de trabalho específicas.

Com a greve realizada em Abril foram conquistados os aumentos salariais para o corrente ano de 2024: 5,3%, com um valor mínimo mensal de 100 euros e o aumento de 5,3% nas cláusulas de expressão pecuniária (subsídio de refeição, anuidades, subsídio de transporte, etc.), mas a redução do horário e os complementos na saúde são decisivos e ainda estão por resolver.

A próxima reunião de negociações está agendada para 4ª feira, 29 de Maio e é necessário que a Administração deixe de “empurrar com a barriga para frente” e assuma compromissos concretos.

O Conselho de Administração sabe que nós sabemos que a CIMPOR pode e deve ir mais longe na valorização dos seus profissionais.

É HORA DE TERMOS MAIS SALÁRIO COM MENOS HORÁRIO E MAIS SAÚDE! 

Esta greve nas fábricas de cimento da CIMPOR-INDÚSTRIA DE CIMENTOS (Souselas, Alhandra e Loulé) e no Entreposto da Maia, estende-se ainda a duas empresas do Grupo: CIARGA – ARGAMASSAS SECAS  (Alhandra e Maia) e CIMPOR – SERVIÇOS, cujos trabalhadores decidiram também avançar para paralisações no mesmo período, em torno das suas reivindicações específicas.

EXIGIMOS QUE A CIMPOR RESPEITE E VALORIZE

QUEM NELA TRABALHA OU TRABALHOU!

A Direcção Nacional

27 de Maio de 2024

GREVE NA CIARGA – ARGAMASSAS SECAS, SA (GRUPO CIMPOR)

DECLARAÇÃO DE GREVE

Ao trabalho suplementar

436252864_858466389422281_6359031165142809973_n

Os trabalhadores, independentemente do seu vínculo laboral e sindicalizados ou não, da empresa CIARGA – ARGAMASSAS SECAS, SA (GRUPO CIMPOR) irão levar a efeito uma greve ao trabalho suplementar, com início no dia 24 de Maio de 2024 e até haver negociação e satisfação das reivindicações apresentadas pelos trabalhadores da empresa.

OS OBJECTIVOS DA GREVE SÃO:

  1. Deslocações a obras ou em formação: direito ao pagamento de pequeno-almoço, lanche e 15€ para almoço/jantar, para além do pagamento das horas extras que ultrapassem o período normal de trabalho diário;
  2. Esclarecimento sobre os critérios de atribuição do prémio atribuído em Maio de 2024;
  3. Igualdade de tratamento com a Cimpor (empresa-mãe):

3.1.          Aumentos salariais iguais, em percentagem, mas também em valor mínimo;

3.2.          Subsídios de turno iguais, de acordo com os regimes praticados, em particular para os dois turnos com folga fixa ao domingo (270,00€, em 2023);

3.3.          15.° mês para todos os trabalhadores da Ciarga;

3.4.          Subsídio de transporte em função da distância entre o local de trabalho e o local de residência.

A Direcção Nacional

Lisboa, 21 de Maio de 2024

GREVE NO GRUPO CIMPOR – RESOLUÇÃO

2c2169b8-9e5d-422e-a1bc-1904db09b75d

RESOLUÇÃO 

A FEVICCOM saúda fraternalmente todos os homens e mulheres das empresas do Grupo CIMPOR: INDÚSTRIA, SERVIÇOS, CIARGA e SACOPOR, que com grande coragem e determinação aderiram à greve em curso.

A sua massiva adesão constituiu um acontecimento histórico de luta dos trabalhadores destas empresas pela melhoria das suas condições de vida e de trabalho, pela valorização das suas profissões e pela defesa da sua dignidade.

Uma luta em que a vontade, a confiança e a força da razão dos trabalhadores se sobrepôs à força do poder, à arrogância, à mentira, às intimidações e chantagens.

Uma greve que ao longo destes três dias levou à paralisação total da produção e a uma forte afectação nas vendas de cimento.

A verdade é que a receita que a empresa está a perder daria, no todo ou em parte, para atender às nossas reivindicações. 

Esta foi a resposta serena, mas firme que os trabalhadores deram a uma Administração que, nos últimos tempos, insiste em confundir negociação com imposição.

Nestes dias e noites fez-se ouvir a voz de quem trabalha contra aqueles que elogiam o trabalho mas desrespeitam os trabalhadores.

Uma voz que não tem medo de combater as medidas que atacam os de baixo para recompensar os de cima.

O accionista – a TCC, de Taiwan – apresentado como o terceiro Grupo mundial no negócio dos cimentos, tem a responsabilidade social e a obrigação empresarial de considerar e assumir as propostas sindicais em Portugal.

Mas não só. Tem o dever de melhorar significativamente os salários e assegurar um conjunto de direitos, como o Apoio  Complementar na Saúde, que mantém em Taiwan, mas que no nosso País retirou  aos actuais e futuros reformados e seus familiares.

Um Grupo com negócios em alta, não pode ter salários e direitos em baixa.

Por isso a melhor forma de não andarmos para trás, é caminharmos em frente.

Unidos e coesos, vamos:

  1. Exigir uma reunião urgente à Administração para dar sequência ao processo negocial, de forma a encontrar-se uma solução que valorize dignamente os salários, responda às diversas reivindicações pecuniárias e não precuniárias, reduza o horário semanal de trabalho, respeite os direitos, consagre o Apoio Complementar na Saúde a todos os trabalhadores, reformados e seus familiares e garanta a igualdade de tratamento entre os trabalhadores das diversas empresas.
  1. Realizar Plenários em todas as fábricas, em datas a anunciar oportunamente, para analisar os impactos da greve e discutir e decidir novas acções de luta, caso a Administração não responda positivamente às propostas já apresentadas pelos trabalhadores das empresas do Grupo Cimpor.

18 de Abril de 2024

(Maia, Souselas, Alhandra, Carregado e Loulé)

FORNO DE PRODUÇÃO DE SOUSELAS PAROU!

436429601_858602432742010_2188795815057697366_n

Numa Greve com crescentes adesões, acabou de parar o único forno da CIMPOR que ainda se mantinha em funcionamento desde o início da greve:

O FORNO DA FÁBRICA DE SOUSELAS PAROU!

Com a grande adesão dos trabalhadores a esta Greve, não há Produção de Cimento na CIMPOR.

 

GREVE NA CIMPOR E NA CIARGA EM GRANDE FORÇA

Os trabalhadores das duas empresas do Grupo CIMPOR estão hoje no 2º dia de Greve com grandes adesões, paralisação de Produção e Expedições.
A administração continua a não responder aos trabalhadores.
436105722_858466336088953_4209159432274375499_n  436252864_858466389422281_6359031165142809973_n

GREVE DE TRÊS DIAS NO GRUPO CIMPOR

De Norte Sul do País, iniciou na madrugada de ontem, a GREVE de três dias em várias empresas do GRUPO CIMPOR.

Trabalhadores em luta por salários e direitos que exigem e merecem.

noite 6  noite 3  noite 5  noite1

noite 4  noite 2

Reunião Bilateral entre a FEVICCOM e a CIG da Galiza

WhatsApp Image 2024-04-13 at 11.07.58  WhatsApp Image 2024-04-13 at 11.08.02

                               436408258_1201384597685702_476368375466558713_n

Sábado, dia 13 de Abril, uma delegação da FCM CIG Construction e Madeira da Galiza veio à cidade do Porto participar numa reunião bilateral para estreitar a relação com a FEVICCOM – Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro da CGTP-IN.
Uma reunião produtiva que serviu para abordar a situação dos trabalhadores transfronteiriços, galegos e portugueses, para projectar o trabalho conjunto entre as duas organizações, de modo a combater a exploração da classe trabalhadora em diversos sectores, como a construção, as madeiras ou as pedreiras.
A FEVICCOM agradeceu à FCM CIG Construction e Madeira da Galiza, a sua disponibilidade permanente em trabalhar connosco, e destacou também todos os elementos da estratégia e de luta com o objetivo comum de melhorar as condições de vida e de trabalho da classe trabalhadora galega, portuguesa e internacional, através da nossa união internacional, a UITBB.
A Direcção Nacional da FEVICCOM
Lisboa, 15 de Abril de 2024

GREVE DA CIMPOR ALARGA-SE A MAIS EMPRESAS DO GRUPO

Cimpor-e1496957655504  7103

Por aumentos salariais dignos e direitos iguais em todo o Grupo Cimpor

A greve na CIMPOR – INDÚSTRIA que se inicia na madrugada de terça-feira, 16 de Abril e termina na madrugada de 19 de Abril, vai também contar com a adesão dos trabalhadores da CIARGA – ARGAMASSAS nos mesmos 3 dias (16 a 19 de Abril) e também da CIMPOR – SERVIÇOS e da SACOPOR no dia 18, todas empresas do mesmo Grupo empresarial.
Estão a ser convocadas CONCENTRAÇÕES dos trabalhadores em greve para as 08h00 da manhã de todos os dias da greve, junto à entrada das fábricas (Maia, Souselas, Alhandra, Alenquer e Loulé).
A Administração fugiu à negociação e decidiu avançar unilateralmente com uma actualização de 4,5% nos salários e outras matérias pecuniárias, que fica muito aquém das reivindicações dos trabalhadores, para além de recusar negociar a redução do horário semanal de trabalho, melhorias nas carreiras profissionais e a aplicação do apoio na saúde a todos os trabalhadores, reformados e familiares.
A CIMPOR, adquirida recentemente pela TCC, de Taiwan, integra o terceiro maior grupo cimenteiro mundial, com condições económicas e financeiras bastantes para responder positivamente às propostas dos trabalhadores.
A Direcção Nacional da FEVICCOM
Lisboa, 12 de Abril de 2024