Arquivos de Destaques

História do Movimento Operário e Sindical: 1990-2003

convite convidamos-te évora com nome e uniãoNo âmbito do programa comemorativo dos 50.º aniversário da CGTP-IN, a USDE/CGTP-IN vai apresentar, o terceiro volume do livro Contributos para a História do Movimento Operário e Sindical: 1990-2003, no dia 21 de Janeiro de 2021, pelas 16H30 nas instalações da Junta de Freguesia do Bacelo em Évora e conta com a presença de Andrea Araujo da Comissão Executiva da CGTP-IN e Armando Farias do grupo trabalho da criação do livro

O Livro foi escrito por dirigentes que acompanharam de perto, na CGTP-IN, nos sindicatos, nas uniões, nas federações, nos vários sectores de actividade, as lutas, as iniciativas, os acontecimentos nele abordados, o livro sintetiza e caracteriza no seu subtítulo – “Anos de Saque ao Sector Público e Roubo de Direitos Laborais” – o período cronológico em que se situa, 1990-2003.

Nas dez partes que lhe dão forma, estão contempladas as grandes questões políticas, económicas e sociais que marcaram treze anos de acção sindical protagonizada pela CGTP-IN, a redução do tempo de trabalho, nomeadamente a luta pelas 40 horas semanais, a participação da Central na Comissão Permanente de Concertação Social (CPCS), a defesa das funções sociais do Estado e da justiça fiscal, a criação da Escola Profissional Bento de Jesus Caraça (EPBJC), as relações internacionais dos trabalhadores portugueses, os congressos, a organização sindical e a compra da sede histórica da CGTP-IN. A última parte põe em evidência as ideias-chave que, no ano em que a CGTP-IN celebrava o seu 25.º aniversário, em 1995, transpareciam dos debates sobre o tema do sindicalismo, problematizando a sua actualidade no caminho percorrido pelo movimento sindical desde o início da década de 1990. Várias imagens de arquivo testemunham algumas das lutas e iniciativas referidas ao longo da obra.

Recordamos que os dois primeiros volumes foram publicados em 2011 (Contributos para a História do Movimento Operário e Sindical: das Raízes até 1977) e em 2016 (Contributos para a História do Movimento Operário e Sindical: 1977 a 1989).

“Prémio” COVID-19 –Hospital de Évora discrimina enfermeiros do serviço de urgência geral

hospitalO SEP teve conhecimento, no âmbito do Decreto-Lei n.º 101 B/2020, de 3 de Dezembro, que “Atribui uma compensação aos trabalhadores do Serviço Nacional de Saúde envolvidos no combate à pandemia da doença COVID-19.”– Prémio de desempenho COVID-19, que o hospital procedeu ao pagamento do referido prémio.

O referido Decreto-lei é muito restritivo, contudo, o hospital ao que sabemos, limitou ainda mais a sua aplicabilidade. Trata-se dos enfermeiros do serviço de urgência geral.

O Conselho de Administração do hospital, com a escolha e seleção que fez, discriminou os enfermeiros do serviço de urgência geral face a outros enfermeiros de outros serviços de urgência da região. Além disso, e ao que julgamos saber, discriminou também estes enfermeiros face a outras profissões que também exercem no próprio serviço de urgência do hospital.

Isto é, no mesmo serviço há enfermeiros que receberam e outros não, e, no mesmo serviço há outras profissões (médicos) em que todos receberam ao contrário dos enfermeiros.

Não está em causa a justeza de quem recebeu, o que está em causa é a inadmissível seleção de profissionais que o Conselho de Administração fez.

Não é compreensível nem aceitável esta escolha e seleção que se traduz numa discriminação dos enfermeiros do serviço de urgência geral.

De 50 enfermeiros apenas 6 receberam! Consideramos uma falta de reconhecimento pelas incontáveis horas de dedicação destes enfermeiros, que são “utilizados” até ao limite quando necessários, mas esquecidos no momento de reconhecer o seu desempenho.

O SEP já enviou um pedido de esclarecimento e intervenção urgente ao Conselho de Administração do Hospital

Pelo Contrato Colectivo da Metalurgia

metalo-nichoOs trabalhadores da Metalo-Nicho S.A., empresa do sector metalúrgico onde o salário mais baixo é superior a 850 euros, exigem que a Associação Patronal negoceie com a Fiequimetal o Contrato Colectivo.

Reunidos em plenário no dia 9 de julho, inserido na semana de luta da CGTP-IN, com o lema “Proteger os Trabalhadores, Aumentar os Salários, Defender os Direitos”, os trabalhadores desta empresa no Parque Industrial de Arraiolos, decidiram as reivindicações a apresentar à empresa para o ano 2021.

Conscientes da necessidade de um contrato colectivo no sector, os trabalhadores concentraram-se de forma simbólica no exterior da empresa, para assinalar esta sua reivindicação.

A associação patronal AIMMAP arrasta há anos o processo negocial, promovendo assim um bloqueio da contratação colectiva, algo que estes trabalhadores consideram inaceitável.

Sindicaliza-te » Luta pelos teus direitos individuais e colectivos

sindicaliza-teO vírus não pode servir de desculpa para tudo! Basta de exploração.

Os trabalhadores têm direito a melhores condições de vida, quer em termos de protecção,segurança e saúde, quer em termos de salários e horários.

O país não pode regredir, nem parar, precisa de avançar!

A sindicalização ganha ainda mais actualidade nesta fase em que os trabalhadores precisam de ultrapassar as adversidades que se lhes colocam.

É na defesa e no avanço dos Direitos, nas condições de traballho, na protecção do emprego e no aumento dos salários que está a chave de uma justa recuperação da economia.

Luta pelos teus direitos individuais e colectivos. É preciso valorizar o trabalho e os trabalhadores!

Quero sindicalizar-me!

PREENCHA A AQUI SUA FICHA DE PRÉ-SINDICALIZAÇÃO