Arquivo da categoria: Notícias

Notícias e actualidade

História do Movimento Operário e Sindical: 1990-2003

convite convidamos-te évora com nome e uniãoNo âmbito do programa comemorativo dos 50.º aniversário da CGTP-IN, a USDE/CGTP-IN vai apresentar, o terceiro volume do livro Contributos para a História do Movimento Operário e Sindical: 1990-2003, no dia 21 de Janeiro de 2021, pelas 16H30 nas instalações da Junta de Freguesia do Bacelo em Évora e conta com a presença de Andrea Araujo da Comissão Executiva da CGTP-IN e Armando Farias do grupo trabalho da criação do livro

O Livro foi escrito por dirigentes que acompanharam de perto, na CGTP-IN, nos sindicatos, nas uniões, nas federações, nos vários sectores de actividade, as lutas, as iniciativas, os acontecimentos nele abordados, o livro sintetiza e caracteriza no seu subtítulo – “Anos de Saque ao Sector Público e Roubo de Direitos Laborais” – o período cronológico em que se situa, 1990-2003.

Nas dez partes que lhe dão forma, estão contempladas as grandes questões políticas, económicas e sociais que marcaram treze anos de acção sindical protagonizada pela CGTP-IN, a redução do tempo de trabalho, nomeadamente a luta pelas 40 horas semanais, a participação da Central na Comissão Permanente de Concertação Social (CPCS), a defesa das funções sociais do Estado e da justiça fiscal, a criação da Escola Profissional Bento de Jesus Caraça (EPBJC), as relações internacionais dos trabalhadores portugueses, os congressos, a organização sindical e a compra da sede histórica da CGTP-IN. A última parte põe em evidência as ideias-chave que, no ano em que a CGTP-IN celebrava o seu 25.º aniversário, em 1995, transpareciam dos debates sobre o tema do sindicalismo, problematizando a sua actualidade no caminho percorrido pelo movimento sindical desde o início da década de 1990. Várias imagens de arquivo testemunham algumas das lutas e iniciativas referidas ao longo da obra.

Recordamos que os dois primeiros volumes foram publicados em 2011 (Contributos para a História do Movimento Operário e Sindical: das Raízes até 1977) e em 2016 (Contributos para a História do Movimento Operário e Sindical: 1977 a 1989).

MAIS UM FIM-DE-SEMANA, MAIS UMA LUTA NA EMPRESA CARL ZEISS

A Administração da Carl Zeiss insiste em manter os horários de laboração contínua contra a vontade e os direitos consagrados dos trabalhadores.

Face a esta postura da empresa, os trabalhadores e trabalhadoras da Carl Zeiss estão novamente  de forma massiva em Greve, durante este fim-de-semana de 16 e 17 de Janeiro.

IMG_20210116_111426

Quando a empresa abdica de soluções, optando por imposições, vem novamente demonstrar a justeza das razões que justificam a Luta destes trabalhadores.

À prepotência da empresa, os trabalhadores juntam força, determinação e unidade para afirmarem os seus direitos! 

UNIDOS E ORGANIZADOS NA LUTA

PELOS HORÁRIOS DE 2ª A 6ª FEIRA!

IMG_20210116_111526

Contra a imposição da laboração contínua!

Cumprimos os nossos deveres, exigimos o respeito pelos nossos direitos e pelo AE!

6a780790f1e202521f0a19599a0e3f5f-0

87º Aniversário da revolta do 18 de Janeiro de 1934

A Direcção do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Vidreira (STIV) Comemora o 87º aniversário do 18 de Janeiro com diversas iniciativas na Marinha Grande.

O STIV honrando a memória dos trabalhadores que lutaram por uma sociedade sem exploradores nem explorados, apela à participação, em especial na sessão pública junto á Estátua do Vidreiro pelas 11 horas de 18 de Janeiro.

Serão cumpridas as regras de distanciamento e uso de máscara.

Vamos à Luta! Pelo emprego Digno e Seguro! Aumentar os Salários! Garantir os Direitos!

Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Vidreira - Home

A LUTA CONTINUA NA EMPRESA CARL ZEISS

A intenção patronal de impor a laboração contínua na Carl Zeiss Vision, em Setúbal, fracassou no dia 2 de Janeiro, em resultado de uma greve vitoriosa que decorreu de 31 de Dezembro de 2020 a 4 de Janeiro de 2021.

Novas greves estavam já convocadas para todos os fim-de-semanas de Janeiro, e ontem dia 9 e hoje dia 10 realizaram-se novas lutas, na empresa de Setúbal.

20210109_094314-1

Para além da defesa do período normal de trabalho de segunda a sexta-feira, consagrado no Acordo de Empresa, que a empresa teima em desrespeitar, muitas e boas razões há para os trabalhadores realizarem estas lutas.

20210109_094324-1

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Vidreira e a Comissão Sindical da Carl Zeiss já marcaram novos plenários com os trabalhadores para a próxima sexta-feira dia 15 de Janeiro, para colectivamente acompanhar e decidir sobre os desenvolvimentos deste processo de luta.

images (6)

Os Trabalhadores da Carl Zeiss unidos, jamais serão vencidos!

GREVE VITORIOSA NA VIDREIRA CARL ZEISS

Terminou à meia-noite de 4 de Janeiro a greve iniciada em 31 de Dezembro e que contou com uma adesão massiva dos trabalhadores e trabalhadoras da empresa Carl Zeiss, em Setúbal, na maioria jovens, contra a laboração contínua e em defesa da conciliação do trabalho com a vida pessoal e familiar.

A adesão rondou os 100% em todos os turnos, o número de novas sindicalizações duplicou e a intenção patronal de impor a laboração contínua no sábado, 2 de Janeiro, fracassou.

Greve na CZVP - 4 de janeiro de 2021 IMG-20201231-WA0002IMG-20201231-WA0007 IMG-20201231-WA0000

O Sindicato, em representação dos trabalhadores, avançou também com uma providência cautelar e entregou um pré-aviso de greve para os próximos fins-de-semana. O próximo período de greve terá início às 00h00 de sábado, 9 de Janeiro.

Para além da defesa do período normal de trabalho de 2ª a 6ª feira, consagrado no Acordo de Empresa, que a empresa teima em desrespeitar, as razões desta luta estendem-se ainda à:

  • Defesa do direito de contratação colectiva e negociação da proposta reivindicativa para 2021;
  • Integração no quadro de efectivos de todos/as os/as trabalhadores/as de empresas de trabalho temporário que desempenham funções permanentes na Carl Zeiss;
  • Exigência de cumprimento dos direitos de maternidade e de paternidade;
  • Rejeição da pressão psicológica e do assédio laboral;
  • Realização de testes à COVID-19, a todos/as os/as trabalhadores/as através dos serviços da saúde ocupacional da empresa.

A resolução do conflito está nas mãos da Administração!

Os trabalhadores cumprem com os seus deveres; exigem respeito pelos seus direitos!

Nota-de-Imprensa-Greve-vitoriosa-na-Vidreira-Carl-Zeiss

Faleceu Aquilino Coelho

Foi com grande pesar que a Direcção da FEVICCOM/CGTP-IN e do STCCMCS tomou conhecimento do falecimento do camarada Aquilino Coelho.

Aquilino Coelho foi dirigente sindical do então Sindicato da Construção do Distrito de Santarém e do actual Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de CERÂMICA, Cimentos e Similares, CONSTRUÇÃO, Madeiras, Mármores e Cortiças do Sul e Regiões Autónomas – STCCMCS e da Federação Portuguesa dos Sindicatos da CONSTRUÇÃO, CERÂMICA E VIDRO – FEVICCOM.

Neste momento de luto e de perda para o Movimento Sindical, a FEVICCOM/CGTP-IN  e o STCCMCS envia à sua família, aos amigos e camaradas, as mais sentidas condolências.

 

“Prémio” COVID-19 –Hospital de Évora discrimina enfermeiros do serviço de urgência geral

hospitalO SEP teve conhecimento, no âmbito do Decreto-Lei n.º 101 B/2020, de 3 de Dezembro, que “Atribui uma compensação aos trabalhadores do Serviço Nacional de Saúde envolvidos no combate à pandemia da doença COVID-19.”– Prémio de desempenho COVID-19, que o hospital procedeu ao pagamento do referido prémio.

O referido Decreto-lei é muito restritivo, contudo, o hospital ao que sabemos, limitou ainda mais a sua aplicabilidade. Trata-se dos enfermeiros do serviço de urgência geral.

O Conselho de Administração do hospital, com a escolha e seleção que fez, discriminou os enfermeiros do serviço de urgência geral face a outros enfermeiros de outros serviços de urgência da região. Além disso, e ao que julgamos saber, discriminou também estes enfermeiros face a outras profissões que também exercem no próprio serviço de urgência do hospital.

Isto é, no mesmo serviço há enfermeiros que receberam e outros não, e, no mesmo serviço há outras profissões (médicos) em que todos receberam ao contrário dos enfermeiros.

Não está em causa a justeza de quem recebeu, o que está em causa é a inadmissível seleção de profissionais que o Conselho de Administração fez.

Não é compreensível nem aceitável esta escolha e seleção que se traduz numa discriminação dos enfermeiros do serviço de urgência geral.

De 50 enfermeiros apenas 6 receberam! Consideramos uma falta de reconhecimento pelas incontáveis horas de dedicação destes enfermeiros, que são “utilizados” até ao limite quando necessários, mas esquecidos no momento de reconhecer o seu desempenho.

O SEP já enviou um pedido de esclarecimento e intervenção urgente ao Conselho de Administração do Hospital

TECNOVIA não pagou subsídio de natal

Até ao presente momento a TECNOVIA – Sociedade de Empreitadas, S.A. ainda não procedeu ao pagamento do Subsídio de Natal aos seus trabalhadores.

Ora o pagamento referido acima, é devido aos trabalhadores e deveria ter sido liquidado de acordo com a legislação geral de trabalho e no art.º 40º nº5 do CCT entre a AECOPS e a nossa Federação-FEVICCOM, até dia 15 de Dezembro.

Esta situação, a juntar-se ao reiterado atraso no pagamento da retribuição mensal aos trabalhadores, têm provocado diversas complicações na gestão mensal dos seus compromissos perante terceiros (ex. cumprimento de pagamentos de créditos pessoais eou habitação) e até algumas penalizações pecuniárias por incumprimentos.

Face a esta situação, o STCCMCS solicitou, com caracter de urgência informação à TECNOVIA sobre o pagamento do Subsídio de Natal e exige ser recebida em reunião para colocar as preocupações manifestadas pelos trabalhadores com a situação que a empresa atravessa.

FONTE: STCCMCS-Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica, Cimentos e Similares, Construção, Madeiras, Mármores, Cortiças do Sul e RA.

Pelo Contrato Colectivo da Metalurgia

metalo-nichoOs trabalhadores da Metalo-Nicho S.A., empresa do sector metalúrgico onde o salário mais baixo é superior a 850 euros, exigem que a Associação Patronal negoceie com a Fiequimetal o Contrato Colectivo.

Reunidos em plenário no dia 9 de julho, inserido na semana de luta da CGTP-IN, com o lema “Proteger os Trabalhadores, Aumentar os Salários, Defender os Direitos”, os trabalhadores desta empresa no Parque Industrial de Arraiolos, decidiram as reivindicações a apresentar à empresa para o ano 2021.

Conscientes da necessidade de um contrato colectivo no sector, os trabalhadores concentraram-se de forma simbólica no exterior da empresa, para assinalar esta sua reivindicação.

A associação patronal AIMMAP arrasta há anos o processo negocial, promovendo assim um bloqueio da contratação colectiva, algo que estes trabalhadores consideram inaceitável.

Semana de Acção e Luta no distrito de Portalegre

7 a 11 dez cartaz curvas-min

Com o objectivo de dar expressão e força à acção reivindicativa dos trabalhadores nos locais de trabalho, a CGTP-IN convocou uma semana de acção e luta, com o lema “Proteger os trabalhadores. Aumentar os salários. Garantir os direitos.” de 7 a 11 de Dezembro.

Sob o pretexto da pandemia muitas entidades patronais têm tentado ir o mais longe possível na intensificação da exploração da força de trabalho, através de despedimentos e da desregulação dos horários, prolongando as jornadas de trabalho para lá dos limites do cansaço, em horas não pagas.

É, no entanto, possível travar esta ofensiva com a força e a unidade dos trabalhadores. É isso que têm feito milhares de trabalhadores em centenas de locais de trabalho e nesta semana, juntamente com os seus sindicatos de classe, os trabalhadores vão trazer para a rua essas acções.

Em plenários, concentrações e tribunas, os trabalhadores vão exigir resposta às suas reivindicações concretas mas também dar mais força à luta pelo aumento geral dos salários e das pensões, pela alteração da legislação laboral, pelo aumento do salário mínimo nacional, pelo investimento público efectivo nas funções sociais do Estado que passa pela valorização dos seus profissionais.

No distrito de Portalegre os trabalhadores e seus sindicatos de classe agendaram as seguintes acções:

- dia 9, pelas 16h, frente ao Hospital de Portalegre, concentração dos trabalhadores das cantinas, bares e refeitórios dos hospitais distritais, geridos pela Uniself, pela reposição dos 10 dias de salário que lhes foram retirados deixando trabalhadores com um salário de cerca de 200 Euros e em alguns casos inferior; acção dinamizada pelo Sindicato da Hotelaria do Sul.

- dia 10, pelas 13h, frente a Hutchinson de Campo Maior, concentração com tribuna pública e eleição da pior empresa do ano de 2020 dinamizada pela União dos Sindicatos do Norte Alentejano e pintura de lona pela Interjovem contra a precariedade e banco de horas; acção dinamizada pelo SITE-SUL – Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul.

- dia 11, pelas 8h30, na ETAR de Portalegre, plenário dos trabalhadores do Grupo AdP – Águas de Portugal, seguido de entrega de resolução na CIMAA e conferência de imprensa junto a este local às 11h. Os trabalhadores do Grupo AdP exigem a aplicação do acordo colectivo e a contratação de mais trabalhadores; acção dinamizada pelo STAL – Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins.

- dia 11, pelas 14h, junto ao Palácio Póvoas em Portalegre, tribuna pública com o objectivo de fazer um balanço de todas as acções reivindicativas que tiveram lugar durante a semana de acção e luta; acção dinamizada pela União dos Sindicatos do Norte Alentejano, que vai contar com a participação de vários activistas sindicais de diferentes sindicatos da CGTP-IN.