Arquivo da categoria: Actualidade e Luta

Actualidade e Luta

Milhares na rua pela valorização do trabalho e dos trabalhadores

manif_18nov2017-minTrabalhadores de vários sectores do distrito de Portalegre juntaram-se a muitos milhares de outros, em Lisboa, este sábado, numa grande acção de afirmação da força dos trabalhadores portugueses, pela valorização do trabalho e dos trabalhadores.

trenyaNeste dia decorreu também em Madrid uma manifestação em defesa da ferrovia, organizada pelos sindicatos da Extremadura Espanhola, CCOO e UGT Extremadura, com a qual, no âmbito da Comissão Sindical Interregional (CSIR), a CGTP-IN manifestou a sua solidariedade.

Greve dos professores com impacto também no distrito de Portalegre

cartaz_greve-min

O descontentamento dos professores foi hoje visível em todo o país.

Milhares de professores em greve, vários do distrito de Portalegre, concentraram-se em Lisboa, frente à Assembleia da República, protestando contra a discriminação de que estão a ser alvo no processo de descongelamento das carreiras da administração pública.

No distrito de Portalegre a adesão à greve foi de 100% em 10 escolas: 1º CEB de Alter do Chão, JI da Esperança em Arronches, JI da Boa Fé, 1º CEB e JI de Alcáçovas em Elvas, 1º CEB/ JI de Castelo de Vide, EB J.P. Andrade e 1º CEB de Longomel em Ponte de Sôr, EB1 Assumar e EB1 Vaiamonte em Monforte. Em muitas outras registou-se uma adesão superior a 50%: EBI/JI Stº António das Areias em Marvão, ES D.Sancho II em Elvas, 1º CEB da Boa Fé em Elvas e Agrupamento de Ponte de Sôr. Além do impacto bem visível nestas escolas em várias outras houve professores em greve: EB 2,3 N.S. Luz em Arronches, ES S. Lourenço em Portalegre, EB 2,3 da Boa Fé em Elvas, Agrupamento de Fronteira, Agrupamento de Nisa, EB de Monforte e EB 2,3 de Avis.

A luta dos professores teve resultado imediato, já que, durante o debate na Assembleia da República, a Secretária de Estado da Educação anunciou que irá negociar com os sindicatos o processo de descongelamento das carreiras dos professores.

Continuam as acções de mobilização dos trabalhadores para a luta

montagem fotografica-min A uma semana da Manifestação Nacional convocada pela CGTP-IN, a União dos Sindicatos do Norte Alentejano participou já, juntamente com as estruturas sindicais de cada local de trabalho, em várias acções de contacto com os trabalhadores do distrito de Portalegre.

Estas acções de contacto têm como objectivo divulgar os percursos e locais de embarque dos autocarros organizados pelo movimento sindical unitário do Distrito de Portalegre.

Todos os trabalhadores, de todos os sectores, e suas familias estão convidados para esta jornada de luta. Uma jornada de afirmação da força, unidade e luta dos trabalhadores. Uma jornada de afirmação da necessidade de ir mais longe nos aumentos salariais. Uma jornada de defesa dos serviços públicos, do direito a conciliar trabalho e familia e da contratação colectiva por via da qual, como os Sindicatos da CGTP-IN têm dado conta, os trabalhadores têm conseguido com a sua luta organizada, que muitos locais de trabalho, como a Amorim, apresentassem já os 600 Euros como salário minimo praticado .

amorim_3

No próximo dia 18 de Novembro, todos à Manifestação Nacional em Lisboa

cartaz_18nov_com horários

A União dos Sindicatos do Norte Alentejano está a organizar transporte para todos os que queiram participar na jornada de luta do próximo dia 18 de Novembro em Lisboa, convocada pela CGTP-IN.

Estão já disponíveis dois percursos com várias paragens em oito concelhos diferentes do distrito de Portalegre.

Até dia 18 de Novembro, decorrerão acções em vários locais de trabalho com o objectivo de divulgar esta luta e as suas razões: a valorização do trabalho e dos trabalhadores, pelo aumento geral dos salários, pelo direito à contratação colectiva, contra a precariedade, pelo emprego com direitos, contra a desregulação dos horários de trabalho, pelo direito à conciliação entre a vida familiar e profissional, pela valorização dos serviços públicos.

Caderno Reivindicativo aprovado nos Refeitórios dos Hospitais de Elvas e de Portalegre

plenário_elvas19092017-minFoi esta semana aprovado o caderno reivindicativo dos trabalhadores das cantinas, bares e refeitórios dos Hospitais de Elvas e de Portalegre.

As dirigentes e delegadas sindicais do Sindicato dos Trabalhadores na Industria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul convocaram plenários para os refeitórios de ambos os Hospitais.

Nestas reuniões, onde participou a coordenadora do Sindicato, Maria das Dores Gomes, os trabalhadores aprovaram um documento onde constam todas as suas reivindicações. Este caderno reivindicativo corporiza as lutas nacionais da CGTP-IN como a valorização geral dos salários tendo como salário mínimo os 600 Euros, o cumprimento da contratação colectiva e o combate à precariedade mas também contempla problemas concretos destas duas unidades que em Abril deste ano foram concessionadas à Uniself.

Foi ainda aprovado em plenário o envio deste documento não só para a Uniself mas também para o Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA).

 

Transporte ferroviário de passageiros de volta à Linha do Leste

comboio regressa_29082017_horario-min comboio regressa_29082017-min

Foi com uma enorme satisfação que a União dos Sindicatos do Norte Alentejano (USNA) assistiu hoje à passagem do comboio em Portalegre.

Desde o encerramento desta linha em 2011 que a USNA lutava pela sua reabertura, mobilizando estruturas de vários sectores e trabalhadores do distrito e unindo esforços com o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário (SNTSF) da CGTP-IN e com estruturas sindicais espanholas, como as CCOO e a UGT da Extremadura.

Recuperado parcialmente em 2015 devido a um protocolo, foi só em Janeiro de 2016 que as aspirações da população do distrito foram correspondidas com o retorno do transporte ferroviário de passageiros na totalidade da linha do Leste a ser aprovado por unanimidade na Assembleia da República.

O comboio tardou mas não falhou o que é mais uma prova de que é preciso não desistir e continuar a defender o direito dos trabalhadores do nosso distrito e suas familias à mobilidade, a serviços públicos de qualidade e a viver e trabalhar no Norte Alentejano.

INAUGURAÇÃO DA DELEGAÇÃO SINDICAL CONJUNTA DA CGTP-IN EM ELVAS COM A PRESENÇA DO SECRETÁRIO-GERAL ARMÉNIO CARLOS

convite inauguração elvasPublicação1-min

É já nesta sexta-feira, dia 16 de Junho, que terá lugar, pelas 17h30, a inauguração das novas instalações da Delegação Sindical Conjunta em Elvas, com a presença do Secretário-Geral da CGTP-IN, Arménio Carlos.

Nesta delegação, à semelhança do que acontecia na Rua Alferes Cristóvão também em Elvas, funcionarão os serviços de atendimento e contencioso de 5 sindicatos da CGTP-IN: o CESP, Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, a Hotelaria, Sindicato dos Trabalhadores da Hotelaria, Turismo, Restauração e Similares do Sul, o SINTAB, Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal, o SITE, Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul e o SIESI, Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PROFESSORES DE PORTALEGRE PREPARAM-SE PARA A GREVE DE DIA 21 DE JUNHO

cartaz portalegre_greve_profs_21062017-min

O Sindicato dos Professores da Zona Sul – SPZS/Fenprof – vai realizar um Plenário Distrital para todos os docentes do distrito de Portalegre no dia 13 de Junho, às 16.30 horas, na Eb 2,3 José Régio, em Portalegre.

Neste plenário sindical, o SPZS irá esclarecer as muitas questões que lhe estão a ser colocadas por docentes das várias escolas do distrito. De facto, a confirmação da greve de dia 21 de Junho a todo o serviço docente, é algo que muitos esperavam e vem na sequência da falta de resposta do Ministério da Educação a questões que há muito se colocam e são problemas que, direta ou indiretamente, afetam os alunos, tais como:

  • Horários de trabalho que deverão ser reorganizados, sob pena de os professores, com a sobrecarga burocrática e um conjunto de outras tarefas a que estão obrigados, não poderem dar o seu melhor no que é essencial: o trabalho com os alunos. Os professores estão a trabalhar, em média, mais de 46 horas semanais.
  • Desgaste dos profissionais decorrente do que antes se refere, mas também do envelhecimento da profissão, problema contra o qual nada tem sido feito, apesar de se reconhecerem os efeitos negativos na atividade docente. Os sindicatos da FENPROF têm proposto um regime especial de aposentação para profissionais que estão obrigados a trabalhar mais de 40 anos, sob pena de sofrerem penalizações fortíssimas. Ora, ninguém contesta que a escola precisa, urgentemente, de uma forte renovação geracional.
  • Precariedade, que afeta mais de 20% dos professores, bem acima da média nacional. O processo de vinculação extraordinária que decorre, deixa de fora mais de 80% dos que têm vínculos precários, alguns há mais de 10 ou 20 anos. Obviamente que essa instabilidade se reflete no desempenho profissional dos docentes, em particular em momentos que são mais exigentes, como o final de cada ano letivo, período em que o professor está a terminar o contrato, desconhecendo o que lhe reserva o futuro próximo.
  • Desvalorização material da profissão, nomeadamente devido ao congelamento das carreiras nos últimos 7 anos, sem progressões, sem atualizações, com cortes, com uma elevada carga fiscal e sem valorização e reconhecimento da atividade docente.

Portanto, contrariamente ao que se tem ouvido, o que, verdadeiramente, prejudica os alunos não é a realização de um dia de greve pelos professores, mas sim a não resolução dos problemas que levaram os professores a convocar esta greve.

O SPZS realizou já várias visitas às escolas do distrito, sendo de registar, da parte dos professores, uma grande determinação na realização de greve no dia 21, caso o ME não aceite negociar ou não resulte nada de concreto da negociação.

A Direção Distrital de Portalegre do Sindicato dos Professores da Zona Sul/ Fenprof

CURSOS DE FORMAÇÃO PARA ACTIVOS NA DELEGAÇÃO SINDICAL CONJUNTA DE ELVAS

Terão inicio ainda durante o mês de Maio, cursos de formação direccionados para pessoas empregadas, em horário pós-laboral, na delegação sindical conjunta de Elvas, na Rua da Feira nº 31 em Elvas.

Estes cursos resultam de um protocolo entre a CGTP-IN e o Instituto Bento Jesus Caraças, cada módulo tem 25 horas e será ministrado às segundas, quartas e sextas, das 18 às 21h.

Os interessados podem inscrever-se através do endereço de correio electrónico da União dos Sindicatos do Norte Alentejano, usnalentejano@gmail.com ou através do telefone, 268 622 751.

curso módulo
Ciências Informáticas Gestão e organização da informação
Folha de cálculo funcionalidades avançadas
Internet navegação
Gestão e organização da informação
Processador de texto funcionalidades avançadas
Internet evolução
Conexões de rede
Rede local – instalação
Enquadramento na organização Comunicação institucional
Comércio Cadeia de abastecimento introcução
Logistica introdução
Equipamentos de armazém
Qualidade e organização da produção
Gestão de indicadores
Melhoria da qualidade
Condução e manobra de equipamentos de carga e descarga
Marketing e publicidade Elaboração de planos de gestão da segurança em eventos
Projectos de organização de eventos – planeamento e gestão
Tipos de eventos e de organizadores de eventos
Questões culturais, ambientais e de ética profissional
Liderança/coordenação de equipas de projectos de comissões de organização
Elaboração de planos para a manutenção da higiene e segurança de eventos
Elaboração de programas detalhados para reuniões, conferências e congressos e elaboração de programas detalhados para exposições e feiras
Avaliação e divulgação dos resultados de projectos de organização de eventos
Elaboração de procedimentos de reserva e inscrição
Elaboração de programas de eventos detalhados
Gestão e administração Função pessoal legislação laboral
Noções e normas da qualidade
Técnicas de markting
Gestão de recursos informáticos
Recursos humanos – relatório único
Secretariado e Trabalho Administrativo Gestão de correio electrónico e pesquisa de informação na web
Comunicação e comportamento organizacional
Gestão do tempo
Ética e deontologia profissionais
Recursos humanos processos de recrutamento, selecção e admissão
Reuniões de trabalho organização e planificação
Recursos humanos – processamento de vencimentos

Continua a luta dos trabalhadores das cantinas, bares e refeitórios dos Hospitais de Elvas e de Portalegre

manif_hotelaria_15052017-min

Os trabalhadores das cantinas, bares e refeitórios dos Hospitais de Elvas e de Portalegre não baixam os braços.

Depois de uma grande adesão às greves aos feriados convocadas pelo Sindicato dos Trabalhadores da Hotelaria, Turismo, Restauração e Similares do Sul (STHTRSS) e de uma grande participação no 1º de Maio em Portalegre, os trabalhadores deslocaram-se a Lisboa no passado dia 15 de Maio, para participarem numa concentração frente a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, a AHRESP.

Frente a AHRESP, os trabalhadores juntaram-se a centenas de outros das cantinas de todo o país, de escolas e hospitais, e exigiram a negociação colectiva com a CGTP, para todas as empresas do sector, Uniself (à qual estão concessionados os serviços nos Hospitais do distrito de Portalegre), Eurest, SUCH, Itaú e outras.

O contrato colectivo de trabalho da CGTP para o sector data de 1994. As alterações ás regras de negociação colectiva inseridas no Código de Trabalho em 2003 bloquearam a contratação colectiva em todos os sectores e dotaram a AHRESP, e outras associações patronais, de instrumentos de adiamento da negociação necessária às actualizações salariais e não só.

Prova de que a luta é o caminho é a recente vitória dos trabalhadores das cantinas, bares e refeitórios dos Hospitais de Elvas e de Portalegre conseguida com a acção das dirigentes e delegadas sindicais do STHTRSS junto da ACT de Portalegre. Em causa estava o pagamento de dias de férias pela SUCH e pela Eurest, em divida desde Setembro do ano passado, altura em que a concessão do serviço passou da primeira para a segunda. Graças às diligências do sindicato junto da ACT as empresas foram obrigadas a pagar o que tinha ficado em divida.

Os trabalhadores mantêm-se vigilantes, avaliando mensalmente os recibos de vencimento para verificar se todas as dividas são saldadas pelas empresas concessionárias e procurando impedir que a contratação colectiva acordada pela AHRESP com a UGT seja aplicada a todos indiscriminadamente, incluindo as sindicalizadas na CGTP, bem como as clausulas que prevêem a polivalência de funções, a alteração da categoria e a transferência sem aviso do local de trabalho.