Arquivo da categoria: Actualidade e Luta

Actualidade e Luta

Faltam enfermeiros no distrito de Portalegre

SEP_MAISENFERMEIROS_5-min

O SEP – Sindicato do Enfermeiros Portugueses avalia que fazem falta 150 enfermeiros nos Hospitais de Portalegre, Elvas e Centros de Saúde do distrito de Portalegre.

Face a esta reivindicação, que aponta um número que o sindicato considera o minimo indispensável para evitar a ruptura de serviços e garantir a prestação de um serviço público de saúde de qualidade, a ULSNA – Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano anunciou a contratação de 25 enfermeiros, num concurso público que terminou em dezembro de 2017.

Decorridos 6 meses deste concurso público o Ministério da Saúde autorizou a entrada de apenas 6 enfermeiros, para os 2 hospitais do nosso distrito.

É urgente a contratação de mais enfermeiros em número que permita ao Serviço Nacional de Saúde resolver os graves problemas causados pela carência destes profissionais.

Trabalhadores e utentes têm de se unir pela valorização dos serviços públicos no distrito de Portalegre.

 

Greve dos professores termina hoje com concentrações em todas as capitais de distrito

luta tempo de servico-minProfessores mantêm a disponibilidade para a luta e apoiam a estratégia dos seus sindicatos.

A greve às avaliações pela recuperação de 9 anos, 4 meses e 2 dias de serviço termina hoje, dia 13 de julho, com concentrações em todas as capitais de distrito, em que será discutida a forma de prosseguimento da luta logo no inicio do ano lectivo.

Em Portalegre, valorizando a adesão dos professores do distrito a esta greve que conduziu ao adiamento de dezenas de reuniões de avaliação em várias escolas, a concentração é às 18h no Largo Frederico Laranjo, junto ao Café Central.

 

Sim à Paz! Não à NATO!

sim a paz nao a nato-min

Pela paz e o desarmamento!

Pelos direitos e rendimentos dos trabalhadores e do povo! 

Não à Cimeira da NATO – não ao militarismo e à guerra!

 

O governo do PS quer manter e aprofundar o envolvimento do país no militarismo e na guerra, deixando degradar as nossas condições de trabalho e de vida e comprometendo o futuro do país. O governo do PS – com o apoio do Presidente da República – diz que não há dinheiro para valorizar as carreiras e aumentar salários, para garantir o direito à aposentadoria sem penalizações, para defender e valorizar os serviços públicos e funções sociais do Estado, para o investimento público, para a cultura… mas já há dinheiro para amarrar as nossas forças armadas à estratégia da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte), da UE (União Europeia) e das suas potências, agredindo e subjugando países e povos e aumentando as despesas militares do país com este fim. 

É necessária uma forte mobilização dos trabalhadores para denunciar estas prioridades do governo e defender uma outra política, desde já no dia 6 de Julho, em frente à Assembleia da República. 

E é necessária dar-lhe continuidade nos Actos Públicos pela Paz e contra a NATO – que realiza a sua Cimeira em Bruxelas, na Bélgica, a 11 e 12 de Julho. 

Vamos defender a paz e rejeitar o anunciado reforço da acção belicista da NATO, realizando Actos Públicos nas seguintes localidades e datas:

-      Lisboa (9 de Julho, 18h – Largo Camões)

-      Porto (12 de Julho, 18h – Rua de Stª Catarina)

-      Évora (7 de Julho, 11h – Praça do Giraldo)

-      Coimbra (10 de Julho, a partir das 15h – Praça 8 de Maio)

-      Faro (10 de Julho, 18h – Rua de Stº António)

O militarismo e a guerra servem os interesses do grande capital contra os trabalhadores e os povos. Defender os nossos direitos e rendimentos e a valorização do trabalho e dos trabalhadores exige a intensificação da luta pela paz, com o seu carácter solidário, de esquerda, patriótico e ao mesmo tempo internacionalista. 

Vamos mobilizar-nos para gritar bem alto e a muitas vozes:

Sim à Paz! Não à NATO!

43 anos de vida e de luta

aniv usna campanha direitos 04072018-minA União dos Sindicatos do Norte Alentejano – USNA/CGTP-IN comemora hoje 43 anos de existência e de luta por melhores condições de trabalho e de vida no distrito de Portalegre.

Como forma de assinalar esta data, a USNA, juntamente com todo o movimento sindical unitário da região arranca hoje com uma campanha de sindicalização em vários locais de trabalho do Alto Alentejo.

Esta campanha tem como objectivo consciencializar os trabalhadores para a importância da sua organização e unidade na defesa dos seus direitos, porque juntos somos de facto mais fortes.

Este aniversário coincide com mais um momento determinante de mobilização nacional dos trabalhadores. Está convocada pela CGTP-IN uma concentração nacional, frente à Assembleia da República, para o próximo dia 6, sexta-feira. Neste dia, será discutida a proposta de lei que resultou do último acordo de concertação social assinado pelo Governo, associações patronais e UGT. Este é um acordo que a CGTP-IN não assinou e que merece o repúdio de todos os trabalhadores pois não só perpetua a precariedade, a caducidade da contratação colectiva e os baixos salários, como vai mais longe na exploração dos trabalhadores, aumentando o periodo experimental para os trabalhadores à procura do 1º emprego e desempregados de longa duração, alarga o período e o âmbito de aplicação dos contratos de muito curta duração e prevê a criação de um banco de horas grupal. Existem pré-avisos de greve emitidos por sindicatos da CGTP-IN em alguns sectores como é o caso das cantinas dos Hospitais e a USNA, organiza mais uma vez, transporte da região até Lisboa.

Greve às avaliações – dia 18 Junho 2018 – Forte adesão no distrito de Portalegre

greve tempo de servico2018-min

A greve às avaliações convocada pelos sindicatos da Fenprof iniciou-se ontem, dia 18 de Junho, com forte adesão na maioria das escolas do distrito de Portalegre. 
 
Em 8 agrupamentos/escolas, – os Agrupamentos de Escolas de Arronches, Avis, AE nº1 de Elvas – Boa Fé, na Escola Secundária D. SanchoII de Elvas, nos Agrupamentos de Gavião, Monforte, AE nº1 de Portalegre – José Régio e na Escola Secundária S. Lourenço em Portalegre, – a greve teve 100% de adesão não se realizando nenhum dos Conselhos de Turma de avaliação que estavam agendados.
 
Em alguns agrupamentos as reuniões só têm início hoje, dia 19 de Junho – AE de Ponte de Sôr, AE nº 1 de Elvas – Stª Luzia, AE de Castelo de Vide e AE de Marvão.
 
Com a excepção do Agrupamento de Sousel, onde não se registou adesão à greve, em todos os restantes agrupamentos de escolas houve reuniões que não se realizaram, com valores entre os 70% e os 30% de reuniões não realizadas.

A luta dos professores prevê-se muito forte e prolongada

Os professores lutarão o tempo que for necessário pelo direito a serem contabilizados os 9 Anos, 4 Meses e 2 Dias em que a carreira esteve congelada, mas durante os quais sempre trabalharam empenhadamente com os seus alunos, pela Escola Pública e para o país. Os professores não deixarão que apaguem um único desses dias, pois, usando uma expressão popular, não estiveram a trabalhar para aquecer. O governo terá de entender isto, sob pena de não entender nada do que se está a passar.

Os professores estão disponíveis para negociar, sim, mas o prazo e o modo de recuperar todo o tempo de serviço cumprido, tal como consagra a Lei do Orçamento do Estado, como confirma a Resolução 1/2018 da Assembleia da República e como decorre da Declaração de Compromisso assinada em 18 de novembro de 2017. Quanto ao tempo de serviço a recuperar, como o Senhor Primeiro-Ministro ainda ontem demonstrou saber, são 9 Anos, 4 Meses e 2 Dias.

A luta dos professores, porém, não se esgota na recuperação do tempo de serviço. Com ela, exigem, ainda, a aprovação de regras específicas de aposentação que contribuam para o inadiável rejuvenescimento da profissão, medidas que garantam horários de trabalho com 35 horas efetivas e um regime justo de concursos que, simultaneamente, combata a precariedade.

É com estes objetivos reivindicativos que os professores iniciaram ontem, 18 de junho, uma greve que, de acordo com os pré-avisos já entregues, se poderá manter até 13 de julho. A disponibilidade dos sindicatos da FENPROF para negociar é total, aguardando uma proposta que seja uma base negocial aceitável. Para que o seja, não poderá tocar no que é inviolável: o tempo de serviço cumprido pelos professores e, até agora, não contabilizado – 9 Anos, 4 Meses e 2 Dias.

 

A Direção Distrital de Portalegre do SPZS

Greve dos trabalhadores da saúde também no distrito de Portalegre

greve 15jun saude-minOs trabalhadores do sector da saúde estiveram em greve na passada sexta-feira, dia 15 de junho.

A adesão dos trabalhadores de todo o país a esta greve, convocada pelos sindicatos da Função Pública da CGTP-IN, foi bem demonstrativa do seu descontentamento em relação à falta de trabalhadores em vários serviços, hospitais e centros de saúde, à desvalorização das suas carreiras e várias outras matérias como o atraso no processo de regularização da situação dos trabalhadores com contrato de trabalho precário e o não cumprimento do direito ao abono para falhas.

No distrito de Portalegre a adesão à greve foi de 100% no Centro de Saúde de Campo Maior levando ao seu encerramento, registando-se diferentes niveis de adesão nos turnos dos Hospitais de Elvas e de Portalegre, e ainda em Centros de Saúde como Alter do Chão, Elvas e Castelo de Vide.

Trabalhadores do distrito de Portalegre aderem à acção de luta convocada pela CGTP-IN

montagem-minMais de meia centena de trabalhadores do distrito de Portalegre já se inscreveram nos transportes da União dos Sindicatos do Norte Alentejano para a Manifestação Nacional do próximo dia 9 de junho, sábado, em Lisboa.

O movimento sindical unitário contactou com centenas de trabalhadores em dezenas de locais de trabalho do nosso distrito, de diferentes sectores. Em todos eles, os trabalhadores têm organizado diferentes formas de luta em torno de questões concretas nos últimos meses. No sábado todos convergem numa acção de luta comum reivindicando: o aumento geral dos salários, o combate efectivo à precariedade, a reposição da idade legal da reforma aos 65 anos, a reforma aos 40 anos de descontos sem penalizações, o fim da caducidade da contratação colectiva, a reposição do principio do tratamento mais favorável.

Neste sábado, dia 9 de junho, todos à Manifestação Nacional da CGTP-IN pela valorização do trabalho e dos trabalhadores.

 

Professores saem à rua no dia 19 de maio

faixa spzs 19mai-minOs professores e educadores saem à rua este sábado.

Exigem o reconhecimento dos 9 anos, 4 meses e 2 dias de congelamento das suas carreiras.

Exigem que se reconheça o envelhecimento profissional e as suas consequências e a negociação de condições específicas de aposentação.

Exigem que se respeite os professores e a escola pública.

Em todo o país, os sindicatos da FENPROF, como o Sindicato dos Professores da Zona Sul – SPZS no distrito de Portalegre, organizam transportes para todos os professores e educadores que se juntarão a milhares de outros na rua mostrando o seu descontentamento.

Inscrição nos transportes através do site http://www.spzs.pt/?go=news&id=1248,

Greve dos trabalhadores não docentes das escolas obriga Ministério da Educação a integrar 2000 trabalhadores com vinculos precários

img_greve-minTeve hoje lugar a greve dos trabalhadores não docentes das escolas, convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Estado.

Por todo o país a adesão à greve foi superior a 80% conduzindo ao fecho de 500 escolas.

No distrito de Portalegre houve adesão à greve um pouco por todo os concelhos tendo como resultados mais visíveis o fecho de 6 escolas: 1º ciclo de Avis, Sede do Agrupamento em Campo Maior (1º ciclo e EB), 1º ciclo de Monforte e as escolas José Régio e da Corredoura em Portalegre.

Os trabalhadores não docentes das escolas estão em luta contra a precariedade e falta de pessoal, por uma carreira e aumentos salariais.

A greve teve já como consequência o anuncio por parte do Ministro da Educação de que vão ser integrados na administração pública 2000 trabalhadores com vinculos precários.

Intervenção da dirigente Raquel Raimundo, do CESP, em representação da Interjovem/CGTP-IN no 1º de Maio em Portalegre

raquel-minBom dia camaradas,

O 1º de Maio, dia internacional do trabalhador, é um dia para lembrar o caminho de luta que nos trouxe até aqui e um dia para perspetivar o futuro. Para isto os jovens trabalhadores são fundamentais. Porque somos os mais afectados pela instabilidade no emprego, porque somos nós a nova geração de trabalhadores, somos os que começam agora a ganhar a vida a trabalhar e somos nós que por mais anos teremos oportunidade de moldar o futuro.

Os jovens trabalhadores de hoje não são diferentes dos jovens trabalhadores de outrora. Temos as mesmas aspirações: a felicidade, a realização pessoal, a independência financeira. Não somos millenials. Não somos uma nova espécie de trabalhador que aproveita a precariedade para experimentar várias saídas profissionais, não queremos deixar as nossas terras, não queremos ir trabalhar pelo salário mínimo a centenas de quilómetros de casa. O que queremos é cá ficar, queremos que o território seja atrativo para nós e sabemos que o que nós queremos é o que o nosso Alentejo precisa.

Nós os jovens trabalhadores, os que ainda estudam, os que já saíram de casa dos pais, os que têm filhos pequenos, não queremos passar 14 horas fora de casa com horários concentrados, a partilhar boleias com colegas para concelhos na outra ponta do distrito porque não há transportes públicos; não queremos fazer o turno da noite durante 4 meses sem ver os nossos companheiros e filhos como acontece na CEPSA do grupo Autoalegre aqui em Portalegre; não queremos fazer sucessivos contratos de trabalho através de empresas de trabalho temporário ou ficar 6 anos com contratos a prazo sem poder durante esse tempo comprar casa, ou carro, ou planear um futuro, como acontece aqui mesmo na Hutchinson ou no Intermarché e muitos outros; não queremos trabalhar por 580 euros porque isso não nos permite pagar as despesas e ser independentes.

Queremos condições de trabalho dignas! Exigimos a justa repartição da riqueza, aumentos salariais, exigimos que a um posto de trabalho permanente corresponda um vinculo de trabalho efectivo, exigimos o direito constitucional à contratação colectiva. Juntos e organizados, todos os trabalhadores são invencíveis. Foram já centenas os trabalhadores precários que foram integrados nos quadros das empresas e são já várias as empresas com um salário mínimo superior a 600 Euros. Não permitiremos que os rótulos que nos colocam nos impeçam de tomar o futuro nas nossas mãos e vamos continuar a lutar pelo direito a viver e a trabalhar no Norte Alentejano.

Vivam os jovens trabalhadores!

Vivam os trabalhadores!

Viva o 1º de Maio!