Arquivos de 29 de Abril de 2013

Todos ao 1º de Maio

1º Maio

 

 

 

Ler mais

AE Central de Cervejas

Foram acordados aumentos salariais para os próximos 3 anos, bem como a preservação do conteúdo do Acordo de Empresa (AE).

No actual contexto político-social, isto só foi possível com uma estoica luta dos trabalhadores de quase 5 meses de greve ao trabalho extraordinário.

Vale mesmo a pena lutar!

Este acordo que consideramos histórico, não só pela forma como todo o processo decorreu, mas também pelo compromisso firmado entre todos, trabalhadores, SINTAB e empresa relativamente às condições que em conjunto definimos como fundamentais para garantir o sucesso da empresa num clima de paz social, dentro de um contexto económico que sabemos difícil.

Relativamente à matéria de revisão salarial, este acordo traduz-se na definição de aumentos salariais para os anos de 2013, 2014 e 2015, no valor de 25€, 20€ e 15€, respectivamente, os quais terão efeitos a Janeiro de cada ano.

No que respeita às matérias de expressão pecuniária, foi acordado o aumento do valor correspondente ao subsídio de laboração contínua que assim passa de 169,55€ para 200€, com efeitos a 1 de Janeiro de 2013. As restantes matérias mantém-se sem alteração.

Ficou igualmente estabelecido, manter o pagamento do trabalho extraordinário conforme os valores estabelecidos no AE, tendo em conta que se mantém a actual redacção do mesmo.

Acresce ainda referir que será também publicado a manutenção dos descansos compensatórios correspondente a 25% do tempo de trabalho suplementar prestado aos sábados e feriados.

 

2013

A Direcção

Comissão de Reformados

Somos um Sindicato que representa os reformados e pensionistas dos sectores da Agricultura, Alimentação, Bebidas e Tabacos, com uma abrangência a diversos sub-sectores da actividade económica.
O SINTAB é uma organização sindical filiada na CGTP-IN – Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional e, na FESAHT – Federação de Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal, com ligação à Inter-Reformados.

A Comissão de Reformados tem um secretariado que procura através de polos de contacto, estar o mais próximo possível dos reformados e pensionistas, como forma de discutir os seus problemas e dinamizar as suas reivindicações na procura de melhores condições de vida, zelando pelo cumprimento dos seus direitos.

SINDICALIZA-TE

  •   Porque dá mais força à tua razão.
  •   O valor da quota mensal é simbólico “1 euro”
  •   Sindicalizado passas a ter benefícios fiscais, pois o valor da quota é deduzida no IRS.
  •   Sindicalizado continuas a pertencer a um sindicato de classe, que na sua acção tudo fará para defender os direitos e os direitos dos reformados e pensionistas.
  •   Porque independentemente das dificuldades, o SINTAB não abdica de lutar pela melhoria de vida e pela actualização das pensões e reformas.

Ficha de Inscrição

 

Organização Sindical da Comissão de Reformados

A organização que somos

A comissão de reformados é a organização específica dos trabalhadores reformados, pensionistas e aposentados. Uma grande parte dos trabalhadores adquiriu, ao longo da vida, uma larga e rica experiência forjada na acção e na luta pela democracia, pela liberdade sindical, por melhores condições de vida e de trabalho e por transformações políticas económicas e sociais que conduzissem a mais e melhor justiça social.

Por isso, é cada vez mais necessário os reformados manterem-se organizados nos seus sindicatos, a fim de continuar as lutas que teremos de travar contra estas políticas, tal como temos vindo a fazer.

A Direcção do sindicato e o movimento sindical unitário, considerando o projecto de intervenção e princípios da CGTP-IN, têm feito um esforço para dar maior atenção aos trabalhadores reformados, pois estes constituem uma grande parte da população, em constante crescimento, com a mais-valia da experiência de luta acumulada mas, lamentavelmente, muitos ainda não estão disponíveis para a intervenção politica e social que temos vindo a fazer, esclarecendo e mobilizando os reformados para as lutas pela defesa dos seus direitos

Acções pela valorização do trabalho sindical dos reformados

Com uma população cada vez mais envelhecida e o crescente aumento do número de reformados e pensionistas, o trabalho a desenvolver em defesa da garantia dos direitos tem que ser intensificado.

Apesar do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelas Direcções dos sindicatos, temos de reconhecer que muito há a fazer, no que diz respeito ao trabalho sindical junto dos trabalhadores que passaram á reforma.

Assim a Direcção do SINTAB propõe-se:

- Fazer o acompanhamento da política sindical e dinamizar formas de luta em apoio das suas reivindicações;

- Elaborar e discutir documentos sempre que se considere necessário para que os reformados do sector se mantenham informados e mobilizados para as acções tendentes á defesa dos seus direitos;

- Reforçar a organização da Comissão de Reformados;

A Organização é indispensável para a acção e luta dos reformados, com vista a alcançar os seus objectivos, assegurando as suas reivindicações na defesa dos seus direitos.

Caracterização do Sector

Conforme se pode observar dos dados retirados, o número dos reformados no plano Nacional, no nosso país vivem perto de 3 milhões e meio de reformados e pensionistas.

As medidas impostas pelo Governo PSD-CDS/TROIKA, o congelamento das Pensões, o roubo nos Subsídios de Férias e Natal, o aumento dos transportes e a tributação de IRS nas reformas, simultaneamente com a diminuição das comparticipações dos medicamentos e o aumento das taxas moderadoras levaram à quebra do poder de compra dos Reformados e Pensionistas, o que se traduz em mais desigualdades.

É neste contexto político que os Reformados e Pensionistas, a par dos trabalhadores no activo, sofrem o mais grave retrocesso nos seus direitos, com o congelamento das reformas e salários, os roubos nos Subsídios de Férias e Natal, aumento dos impostos, das taxas moderadoras, decorrente das políticas anti-sociais e economicistas dos Governos do PS Sócrates agora agravadas com o PSD-CDS/PP e TROIKA.

Apesar deste nosso trabalho de esclarecimento junto dos Reformados, ainda não conseguimos passar totalmente a nossa mensagem, de que as promessas dos sucessivos Governos de uma vida melhor para os mais desprotegidos, mais não é de que mentira, pois a realidade é que cada vez mais um maior número de pessoas que vivem em extrema pobreza e Portugal, tem o maior índice de desigualdades, em comparação com os restantes parceiros europeus.

No nosso sector e tendo por base um levantamento efectuado recentemente, dos trabalhadores sindicalizados e que passaram à situação de reforma nos últimos 10 anos, em cerca 463, tendo por base a informação que chegou aos serviços dos sindicatos. Podemos concluir que o número de reformados actualmente no sector vai muito para além dos números atrás referidos.

Assim, a Direcção do sindicato com a comissão de reformados do sector tudo fará para que esta situação seja alterada, mobilizando os Reformados, Pensionistas e Idosos para a luta contra estas políticas de recessão e empobrecimento que lhes são impostas pelos sucessivos Governos de direita.

Os Reformados e Pensionistas conquistaram através da luta direitos ao longo da sua vida de trabalho e não os querem perder. Lutarão para os defender.

O aumento da esperança de vida é uma conquista civilizacional que impõe a prática de políticas que garantam a qualidade de vida dos reformados, pensionistas e idosos. Neste sentido, as Comissões de Reformados do sector exigem novas politicas sociais que propiciem melhores condições de vida.

Perante a actual situação política em que nos encontramos, temos de continuar a lutar na defesa das Funções Sociais do Estado (Saúde e a Segurança Social) pública e melhoria real das reformas e das pensões e outras prestações sociais, melhoria dos cuidados de saúde, descongelamento e aumento das reformas, contra o roubo das pensões, do Subsídio de Férias e de Natal, pela eliminação das Taxas Moderadoras e por melhores condições de vida dos reformados, pensionistas e idosos.

Contra o Empobrecimento e a Exploração

Moção da Comissão Executiva do SINTAB  Ler mais

Aumentar o SMN é um Imperativo Nacional

O salário mínimo nacional é uma conquista dos trabalhadores portugueses que o 25 de Abril consagrou em lei e na Constituição da república Portuguesa. Ler mais

Agricultura

AE Companhia das Lezírias

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2009/15/12481266.pdf

Situação Negocial: processo bloqueado

AE Jardim Zoológico

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/completos/1991/bte6_1991.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2001/23/15061508.pdf

CCT Hortofruticultura

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2010/18/18121833.pdf

Rectificação: http://bte.gep.msess.gov.pt/completos/2010/bte24_2010.pdf

CCT Agricultura Nacional

(Aplica-se em todo o território nacional à excepção do concelho de Grândola e dos distritos de Lisboa, Santarém, Leiria, Beja, Évora e Portalegre)

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2010/23/25012524.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2011/24/24992502.pdf

CCT Agricultura de Abrantes

(conselhos de Abrantes, Constância, Sardoal e Mação)

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2009/25/27402758.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2011/26/27392742.pdf

CCT Agricultura de Beja

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2010/19/21002125.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2011/27/28622864.pdf

CCT Agricultura do Ribatejo

(Santarém, excepto conselhos de Abrantes, Constância, Sardoal e Mação; Lisboa e Leiria)

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2009/16/14321450.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2011/17/14571460.pdf

CCT Agricultura de Évora e Portalegre

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2009/3/01810211.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2010/35/39973999.pdf

CCT Suinicultura

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2007/31/31593171.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2010/24/27022702.pdf

Tabacos

AE Tabaqueira EIT

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/completos/2014/bte13_2014.pdf

Alteração à Cl.ª 2ª: http://bte.gep.msess.gov.pt/completos/2014/bte27_2014.pdf

AE Tabaqueira II

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/completos/2014/bte13_2014.pdf

 

 

Bebidas

AE Central de Cervejas

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2006/41/44104425.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2013/28/02350239.pdf

comunicado em anexo do acordo para 2013/2014

ACT Unicer

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2006/40/43424364.pdf

Aumento salarial de 12,00 euros, acrescido de mais 2% para os trabalhadores da área de produção, não publicado em BTE

ACT Empresa de Cervejas da Madeira

Revisão Global: JORAM 23 de 2007

Revisão Salarial: JORAM 12 de 2011

AE Font Salem

Acordo Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2015/15/11001110.pdf

CCT Águas, Sumos e Refrigerantes

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2009/28/31313163.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2011/20/17951798.pdf

CCT Adegas Cooperativas

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2010/9/07650784.pdf

Revisão Salarial: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2011/1/00600062.pdf

CCT Vinhos (Armazém)

Revisão Global: http://bte.gep.msess.gov.pt/documentos/2010/43/46104626.pdf